quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Haiti (depois do terramoto)

O pesadelo.

Pilhagens, saques e violência sucedem-se. Assaltos a armazéns do WFP (Programa Alimentar Mundial), já ocorridos. Grupos armados (quem os armou!?), provavelmente ainda resquícios dos "tontons macoutes", a guarda pessoal do corrupto e sanguinário ditador que foi Papa Doc, assaltam as pessoas roubando-lhes o pouco dinheiro que lhes resta. Há notícias de que poderão estar a ser atirados para as valas comuns corpos ainda com vida.
A ajuda solidária internacional chega, é um facto, mas o Haiti não tem governo, infraestruturas, ou o que quer que seja que permita montar uma logística de distribuição adequada. É o pandemónio, sem que os poderosos do mundo, os deuses, consigam pôr-lhe fim, virados que estão, certamente, para outras bandas de diferentes interesses.
Triste espectáculo está o mundo a dar!
França e Estados Unidos quase se pegaram de razões. Paris a não querer perder a influência na região, Washington a enviar para o terreno milhares de militares. A propósito do auxílio norte-americano, o Governo de Sarkozy fez saber à ONU: “ajudar não é ocupar, mas recuperar a vida”.
Helicópteros norte-americanos voam a baixa altitude, lançando alimentos e água. Em terra luta-se, violentamente, por apanhá-los. Porque não avança uma esquadrilha com contingentes armados (que já lá estão) e se cria uma zona para distribuição segura da ajuda humanitária? Não, os haitianos são tratados como cães a que se lança um osso.
Feira de vaidades!
Bill Clinton, antigo presidente dos EUA foi a Port-au-Prince, falou com os médicos e enfermeiros ,que ali, abnegadamente, trabalham e disse lamentar, mas não lhe foi possível arranjar material de anestesia (!!!). Cirurgias e amputações continuam a fazer-se a sangue frio!
O espectáculo mediático.
Fazendo-se filmar, repórter da CNN pega numa criança a sangrar, corre com ela ao colo, dizendo que a leva “para a barricada”, para a salvar. Fez-se protagonista, foi ele a notícia que correu mundo! Vouyeurismo puro, não jornalismo!
Repórter de uma televisão portuguesa aponta para um local e diz: “ali é uma lixeira de cadáveres”! Os mortos são lixo!
Que jornalismo é este?
Por onde pára a dignidade?
Quanto à ajuda humanitária, temo que venha a acontecer o que vi suceder durante a segunda guerra civil em Angola – que os tentáculos da corrupção e da candonga dela se apoderem, fazendo engrossar a fortuna de uns quantos (em Angola nem os chamados agentes humanitários ficaram de fora, documentei-o, escrevi-o e publiquei-o em livro!), e aumentar a tormenta de muitos, muitos outros. O povo haitiano vai continuar a alimentar-se das práticas vodu, neles instiladas pelos sucessivos dirigentes corruptos e incapazes, e pelos ferozes ditadores que o têm comandado desde a independência, em 1804, perante a quietude e o silêncio cúmplice dos poderosos do mundo.
Milhões e milhões de euros estão a ser doados para a reconstrução do país. Se o mundo do Bem se não levantar, erguer-se-ão mãos a acenar com “luvas”, e enfileirar-se-ão empresas na busca do lucro fácil. Já vi tal acontecer!
Desde 1991, ano em que os capacetes azuis foram para o Haiti, como força de estabilidade e segurança, a ONU continua impotente e incapaz. Vai aumentar os contingentes.
Depois da catástrofe, o pesadelo.
Os haitianos continuam, e continuarão, a sofrer. Um deles, ouvido por uma televisão disse:
- Tenho que sair daqui, aqui já não há vida!

22 comentários:

Maria João disse...

Carlos

Excelente o seu trabalho! Uma reflexão nua e crua, de uma realidade que está mais além do que os simples olhos podem alcançar. É obvio que é fácil de reconhecer, no que li, o conhecimento vivido de semelhantes tragédias humanas e sociais com o aproveitamento de alguns, que como diz, vão engrossando o seu património político e económico. Ocorre-me pensar no que ainda hoje ouvi alguém dizer: " Às vezes, tenho vergonha de ser humano"... Mas, felizmente, continuo ainda a acreditar no outro lado, naquele que nos faz sentir chocados e solidários e nos impulsiona para fazer alguma coisa que nos dignifique, mesmo que só a indignação seja possível!

Junto-me a si nesta revolta feita de palavras e reflexões.

Um abraço

Meus Reflexos Contos e Afins disse...

Sabe Carlos, vi alguem que
convive de perto comigo chorando
por não poder fazer nada
alem de mobiliblizar outros
q possam
e de elevar o pensamento em favor de todos que tanto sofrem la.
Na verdade não como nós
precisarmos a dor de
qualquer um ser
q vive na carne
aquela tragedia.
Acredito que podemos mudar
refletindo um pouco,pq nada nos garante que um dia passaremos pelo mesmo.

Em fim
passa la no blog,
tem um texto insano por la.

Bjins

Maria Ribeiro disse...

Faz chorar o que dizes e o que vemos. Bela, porque triste de tão real, a reflexão que fazes. ONDE ESTÁ O DEUS DE que FALAMOS, CARLOS?
BEIJO DE
LUSIBERO

Teresa disse...

Carlos
Palavras duras para descrever uma realidade terrível, muito para além da nossa capacidade de entendimento.
Quero acreditar que toda a gente que lá está faz o melhor que pode, mas o problema é que estamos a falar de um dos países mais pobres do mundo, onde usualmente já falta quase tudo para a maior parte da população. Um país sem estruturas políticas, nem sociais, nem sanitárias. Um país dominado por gangs armados, como muitos outros. E não, não tenho assim tanta fé no ser humano. Acho que, quando este deixar de ser um espectáculo mediático, o Haiti vai voltar a mergulhar na miséria e na corrupção. Agora, com mais euros e dólares. E com muito mais orfãos e gente abandonada.
Bjs

TERESA SANTOS disse...

Querido Mwata,

Quero ler, com calma, o teu post. Agora, passo, a correr, só para te dizer que tens um desafio no meu blog.
Abraço, grande.

Sandra disse...

É muito triste o que está acontecendo. hoje ainda deu no jornal que novos tremores surgiram..
não conseguiram achar a todos, e novas ameaças estam a surgir..
está sendo desolador, tudo isso. nosso mundo esta em luto.

um grande abraço amigo.
Sandra

Agulheta disse...

Amigo Carlos.Concordo inteiramente com as palavras escritas neste belo texto,ele acorda para quem ainda se encontra adormecido,e nestas palavras eu já pensei a muito tempo desde que a tragédia aconteceu.Sabe amigo tenho "pena" que não será bem a expreção e o termo, do povo que tem falta de tanta coisa para que se acuda nesta hora tão difícel.
Beijinho Lisa

Elaine Barnes disse...

Realidade triste demais. Infelizmente até na desgraça as pessoas tiram proveito. A solidariedade vem de quem tem amor no coração para dorar. Muitas coisas que voc~e relatou aqui eu não sabia e fiquei indignada,mas, acho que tem razão,quando o pais se reerguer por homens de boa vontade, o poder sarcástico e ignorante continuará a fazer vítimas tanto quanto fez o terremoto. Muito bom e esclarecedor seu texto amigo.
Muito obrigada pela visita e elogio. Para mim uma honra,bjs

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Triste é mesmo. Perdas valorosas, inclusive aqui no Brasil. Gestos dos nossos? Pouquíssimos. Fizemos um simples no coletivo com o meu amor de mãe. O apoio mesmo veio de pessoas irmãs como você Carlos. Amigo inestimável, sua palavra é esclarece, faz e refaz. Por mais que doa, é preciso viver com amor.
Obrigada.
Beijos Renata
Alôha!

rosa dourada/ondina azul disse...

Carlos,
Tão bem soubeste descrever a tragédia, a seguir à tragédia!

Deve ser um inferno, neste momento!

Beijinho,

Cris Tarcia disse...

Tristeza, quantas pessoas estão sofrendo, eu não sabia de muita coisa seu texto foi muito importante para exclarecer.

Um grande abraço

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Terrível. Triste demais. Um abraço,amigo

Manuela Freitas disse...

Olá Carlos,
Toda a situação é impressionante e o Carlos revelou situações que eu desconhecia, porque quando um assunto está a sofrer especulações diárias pela televisão e depois repetem, repetem...eu desligo! A situação é de facto um caos e se o mundo apareceu para dar apoio, não foi só pela causa humanitária!...
Um abraço,
Manuela

Luis disse...

Meu Bom Amigo,
Mais uma vez como o compreendo! Haiti tornou-se num Inferno onde tudo acontece. Até quem para lá vai para ajudar é atacado e morto!
É o Caos! E ninguèm consegue disciplinar e organizar esse povo desgraçado! É tudo "uma feira de vaidades" como muito bem disse!
Está lá numa missão de apoio um familiar que descreve bem o que por lá se passa! Já lá se encontrava antes do Terramoto e já nessa altura era difícil lá viver, mas agora é mesmo um Inferno!Dá Raiva!!!
Um forte e amgo abraço.

maria teresa disse...

Não tenho palavras para descrever o que sinto mas não apenas sobre esta tragédia no Haiti.
Abracinho

AFRICA EM POESIA disse...

O Haiti tem sido o meu centro de concentração.
Não entendo como passaram tantos dias e se deixou morrer tanta gente debaixo dos escombros sem nada se fazer..

não entendo mesmo...
um beijo

Fernanda disse...

Amigo Carlos,

Li o seu texto com uma dor aguda no peito e os olhos rasos de lágrimas.
Cada palavra sua reflecte exactamente o que sinto.
As pessoas deixaram de ser Seres Humanos para serem tratadas como animais selvagens, juro por tudo o que me é mais sagrado, o meu filho, que mesmo sabendo que toda a ajuda que chegou ao terreno (quase nula) e todas as interferências são como o meu amigo diz, jogos de interesse e de poder, teatro, fachada, hipocrisia, eu não consigo entender tanta falta de humanidade.

Doí demais e como diz, só se salvarão os que fugirem daquele Inferno.

Porque mandam para o Haiti tantos militares e não ajuda humana???
Porque não deixam que as pessoas procurem alimentos onde eventualmente os há??? Porquê??? Tantos Porquês???

Um abraço fraterno amigo Carlos,

Laura disse...

Daqui a ppouco aqui em Portugal, também já não haverá vida! é isso aí...dá-nos mais uns anos dessa mesma forma, forma em que continuamos e, deixa abater um terramoto e vais ver onde chegamos. Urge, urge mudar as mentes, apenas a mentes e nada mais!...
Grande abraço... Bonito relatório, ma so mundo só funciona assim...laura

Fernanda disse...

Querido amigo Carlos,

Estou muito preocupada com o que estão agora a fazer com as crianças.
Que me perdoem os bem intencionados, eu própria perfilharia uma daquelas crianças e a trataria como minha, mas tenho tanto medo do destino que espera cada uma delas.

Não para de doer o coração.
Beijinhos

Isabel Maguiar disse...

Ás vezes a tristeza afoga as palavras, as suas são um farol de esperança, porque informam, ensinam e motivam.

ematejoca disse...

Li com calma este artigo sobre a tragédia no Haiti, meu caro Carlos, mas faltam-me as palavras certas para o comentar.

Goethe tinha cinco anos quando aconteceu o Terremoto de Lisboa; então ele perguntou ao pai como Deus consentiu uma coisa dessas.
Lenda ou verdade? Não, importa!
Eu faço a mesma pergunta!

Amapola disse...

É tão triste, que até onde não há mais vida, há corrupção.
Um abraço.