segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Quem é este homem?

Fernando Nobre, nascido em Angola, médico especialista em cirurgia geral e urologia, licenciado na Bélgica, fundador e presidente da ONG Assistência Médica Internacional (AMI), é candidato à Presidência da República de Portugal. Afirma que os portugueses precisam de um presidente oriundo da Sociedade Civil, que conheça bem o país e o mundo (conhece 160 países), e que não precise da política. Diz-se não enfeudado a partidos e que avança para a corrida a Belém por “dever moral e cívico” e porque não se conforma em assistir à “agonia lenta de Portugal”.
O anúncio surpreendeu. Um humanista que dedicou a vida à assistência humanitária internacional vira-se, agora, para a política? Contudo, Fernando Nobre não é um recém-chegado ao combate político, embora classifique a sua candidatura de apolítica, deixando antever que, se chegar à presidência, esta também o venha a ser. Nos últimos anos, vestiu a camisola de três partidos.
Em 2002, com Durão Barroso no Governo, participou na convenção do PSD. Quatro anos depois integrou a comissão política e a comissão de honra da candidatura de Mário Soares à Presidência da República, apoiada pelo PS. Nas últimas eleições para o Parlamento Europeu, em 2009, aceitou ser o mandatário nacional do Bloco de Esquerda. Meses depois, nas autárquicas, foi membro da Comissão de Honra de António Capucho, candidato do PSD à Câmara de Cascais.
Nega os rumores de que o dedo de Mário Soares o tenha empurrado para a luta com Manuel Alegre, também este candidato, a quem o Bloco de Esquerda manifestou já o seu apoio. Esclarece ter conversado “com mais de trinta personalidades” (Mário Soares incluído), e ouvido gente desde o CDS (a direita mais à direita, pelo menos com cara visível) ao MRPP (a esquerda mais à esquerda, se é que alguma vez foi de esquerda).
A Causa Monárquica e os Realistas têm-no como monárquico.
Na sua biografia, publicada no YouTube, conta que é uma árvore numa "ilha que não existe", no Atlântico entre o Brasil, a África e a Europa. “Sou um embondeiro plantado numa árvore mítica, que não existe…”
Quem é este homem?
(Foto gentilmente cedida por José Alex Gandum do blog O Meu Sofá Amarelo)


16 comentários:

Sofá Amarelo disse...

É alguém que tem um sonho... e como todos os homens que sonham, a sua iniciativa é válida, ou não tivesse já ele dado provas do que é capaz de fazer pelos outros.

É o tipo de pessoa que marca, mesmo sendo um homem discreto e comedido nas palavras e nos gestos. Alguém que o tempo se encarregará de escrever na história com letra grande. E nem precisa de chegar a Presidente da República para mostrar a grandeza que tem...

Já no mundo da política, a 'guerra' é outra. Por mim acho que os 'embondeiros que não existem' não deviam viver no mundo da política, pelo menos nesta política que se faz hoje em dia... mas esperemos para ver!

Obrigado por publicares uma das fotos que eu tirei ao Fernando Nobre no lançamento da campanha. Estive lá a título pessoal. O privilégio foi meu e tenho muito gosto em partilhá-lo contigo!

Um forte abraço!!!

Fernanda disse...

Caro amigo Carlos,

Fernando Nobre pode ser "um vira casacas"... o que a mim não me parece de todo.
Parece-me mais uma pessoa íntegra e um grande humanista.

Sigo o seu Blogue há muito tempo e tenho-o como uma pessoa de bem em todos os aspectos, pessoa simples e com o perfil desejado para o lugar que se candidata. Adoraria que ele viesse a ser nosso Presidente da República.
O meu voto já é dele.

Beijinhos

Carlos Albuquerque disse...

Fernanda
Longe de mim considerar Fernando Nobre "um vira casacas". Se falei do seu percurso político conhecido, foi apenas para dizer que ele já tem alguma experiência política, não é, propriamente, um novato. É que, sabe, já li por aí que lhe falta cultura política para o cargo a que se candidatou. Não é, de todo, o que eu penso.
Beijinhos

Carlos Albuquerque disse...

Sofá Amarelo (Alex)
Não tens que agradecer a publicação da foto. Grato estou eu por ma teres cedido.
Grande abraço!

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Tenho a maior admiração por Fernando Nobre e pelo papel que tem desempenhado à frente da AMI. Lamento que a sua candiadtura vá apenas contribuir para que a AMI saia chamuscada e Cavaco Silva tenh uma vitória descansada.
A nobreza de um homem pode seer aniquilada pela sua total falta de clarividência política. Tenho muita pena. Pela AMI e por Fernando Nobre

Fernanda disse...

Obrigada amigo Carlos pelas suas palavras.

Peço desculpa se dei a ideia de agressiva que não sou....

Sabe? Como diz o nosso amado Sérgio Godinho " Para melhor está bem, está bem.
Para pior já basta assim"

Beijos

Carlos Albuquerque disse...

Amiga Fernanda,
Pedir desculpa!?
De quê!?
Agressividade!?
Não, não foi agressiva, apenas escreveu o que pensou e pensa. Faça-o sempre, por favor! Como o seu, o meu é um blog de livre expressão do pensamento de quem o visita. Aqui não há crivos censórios ou teias tecendo juizos de intenção. A sua presença é sempre querida e muito bem-vinda.
Beijos

Maria disse...

Só conheço do Fernando Nobre do trabalho que desenvolve na AMI. Penso que aí deveria continuar.
Não gosto de pessoas que se dizem apartidárias, embora não apolíticas, e que vão de facto tomando partido quando apoiam A, B ou C.
Se os apoios que Fernando Nobre já deu a várias candidaturas não é 'tomar partido', então o que é tomar partido?

Um abraço

Agulheta disse...

Amigo Carlos! Se ele já tem a tal experiência política,e me lembro de algumas coisas,não dúvido que venha a ser um bom presidente,agora penso que ele devia continuar na AMI,e ai sim, penso que a credibilidade dele nunca saía melindrada.Eu sou daquelas pessoas que primeiro espero,e ver onde piso o terreno...vamos aguardar.
Beijinho e tudo de bom Lisa

Manuela Freitas disse...

Olá Carlos,

Fernando Nobre, agrada às pessoas, que estão cansadas de políticos profissionais, porque embora já tivésse andado aos zig-zags na política ( o seu leque de «andanças» não é muito coerente), tem um capital muito grande dentro daquilo que tem sido a sua actividade humanitária. Veremos...ainda muito vai acontecer, neste país onde todos os dias acontecem «miranolices» no campo da política.
Um abraço,
Manuela

Teresa disse...

Olá Carlos
Também admiro Fernando Nobre. Considero-o um humanista e um idealista que, no entanto, tem feito um trabalho prático extraordinário. O facto de ter uma candidatura transpartidária só me parece um ponto positivo; a partidarite já mostrou o que é capaz de fazer ao país. Infelizmente, não acredito que ele consiga chegar a presidente sem apoios partidários. Mas não sei. Talvez acredite em milagres.
Bjs

Taw disse...

Véio... não acredito em nada que não tome partido de algo... isso é uma enganação só.

Não acredito em pessoas apolíticas, nem em imparcialidades de jornalistas, nem de juízes, nem o que quer que seja...

o ser humano sempre se mantém culturalmente voltado a alguma ideologia, onde caso as idéias fossem habitadas em um espaço vetorial, e fossem vetores desse espaço, haveria distância uma das outras, e as mais próximas seriam a mais valorizadas, pelas que já são, no ser que as têm.

Hum... não conheço esse cara... mas quando considero o valor de uma pessoa, considero as práticas dela... se ele mantém boas práticas, eu tendo a acreditar que ele a manteria, mesmo que em outro "ambiente".

mas... só podemos ter certeza dos fatos, depois deles terem ocorrido, e mesmo assim ainda é difícil ter consciência deles.

maria teresa disse...

Apenas o conheço como presidente da AMI, da qual sou "sócia" e nessa qualidade, tenho alguns direitos a actos médicos, quando necessito. Ninguém é apolítico, pode ser é "isento" quando chamado a dar a sua opinião. O facto de ter apoiado diferentes pessoas, de quadrantes políticos diversos, abona em seu favor, porque vê a árvore e não a floresta.
Neste momento não o "sinto" com o cargo para o qual é candidato, mas sem uma razão real.
Em relação ao Manuel Alegre quando concorreu da primeira vez, pensei que o tivesse feito de certo modo com um certo "quixotismo", hoje penso que o faz por ambição e disso não gosto.
Estou num limbo e vou procurando informar-me e estar atenta ao desenrolar dos acontecimentos...
Se tivesse que votar neste momento (o que seria totalmente prematuro), votaria no Fernando Nobre.
Abracinho

Luis disse...

Amigo Carlos Albuquerque,
Politicamente situo-o numa área apartidária, o que neste caso será bom pois não está agarrado a partidos. Numa primeira análise, pelas suas qualidades conhecidas, parece ser um Presidente para o momento que atravessamos. No entanto espero mais esclarecimentos pois "gato escaldado de água fria em medo"!
Um abraço amigo.

Maria João disse...

Carlos

Às vezes, acontece-me isto. Não entendo, de imediati, o verdadeiro sentido das coisas... a intenção que verdadeiramente está por detrás da tomada de decisão. Sei que mais tarde, se me mantiver paciente, saberei a resposta. Para já, confesso que continuo muito surpreendida com a candidatura de Fernando Nobre, um homem que admiro pela missão que abraçou na vida em prole do Ser Humano.
Quero acreditar que a sua candidatura à Presidencia da Republica, seja mais uma estratégia nessa sua caminhada.... Quero acreditar!

Um beijinho

Austeriana disse...

Não tenho ainda opinião formada sobre esta candidatura.Vou ouvir, ver e ler...
Quanto ao cidadão, penso que o extraordinário trabalho desenvolvido ao longo da vida levará qualquer pessoa de bem a admirá-lo e respeitá-lo. É um ser humano exemplar.