sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Um cantar para o fim-de-semana

Trago-vos Atahualpa Yupanqui
Espero que gostem. 


Bom fim-de-semana.

9 comentários:

folha seca disse...

Caro Carlos Albuquerque
Muito jovem o primeiro contacto que tive com alguma literatura "subversiva" era escrita em castelhano. Lembro-me que quando conquistámos a nossa liberdade, acolher muitos dos exilados Chilenos que conseguiram sair vivos do inferno do Chile. Relaciono sempre estas músicas com aqueles momentos.
Abraço

Maria disse...

Há quanto tempo não ouvia isto...
Obrigada.
Bom fim-de-semana.

Rogério Pereira disse...

Tal como o Rodrigo, foi o Chile que me alertou para a musica andina. Este poema, de fabulosa simplicidade, deixaria Deus sem resposta, caso ouvisse, visse e falasse...

M. disse...

Confesso que desconhecia. Foi uma excelente surpresa:)

Fê-blue bird disse...

Amigo Carlos:
Sempre me comovo com estas músicas que nos entram pela alma.
Deus há muito que não tem resposta para tantas injustiças.
Bom fim de semana
beijinhos

TERESA SANTOS disse...

Meu querido Mwata,

Sabes que já dei comigo a interpelar Deus?
Porquê?
Porquê tanta injustiça, porquê?!

Um obrigada grande, muito grande, tão grande quanto a tua sensibilidade.

Abraço-te, meu Mwata, comungando das questões que sei serem, também, as tuas.

Rosa Carioca disse...

Nossa! Há quanto tempo! Que bom ter a oportunidade de relembrar. Obrigada.

acácia rubra disse...

Carlos

Quando jovem ainda lhe falava, mas cedo percebi que não ensurdecera só para mim.

Deus é a palavra mais gasta que existe. Em nome dele se fazem as guerras, pelo nome dele se grita nos momentos de desespero.

Ao contrário do que sempre ouvimos,
foi a capacidade imaginativa do Homem que fez com que o criássemos à nossa imagem e semelhança. Por isso não o encontramos, não o vemos. Não temos dele a justiça que queríamos ter quando mais necessitados estamos.

Beijo

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Estive a ouvi-los durante uma boa parte da tarde, Carlos. É uma música que me pacifica, principalmente em dias como o de hoje.
Abraço