segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Eleições legislativas

Dois perdedores

O PS de José Sócrates ganhou as legislativas. Contas são contas, 36% dos votos, não há volta a dar, venceu! Mal menor!? Co-vencedor foi o CDS-PP de Paulo Portas mais os descontentes do PSD de Manuela Ferreira Leite, mais os descontentes do PS e novos votantes que acreditaram no político postiço que quer comandar a direita. O PSD não conta nesta história, já estava moribundo antes do escrutínio. Adiante direi porquê, na minha opinião.
Houve dois perdedores: o Presidente da República e o Bloco de Esquerda.
O folhetim das escutas, ou da vigilância sobre Belém, como lhe queiram chamar, levou o PR a demitir um seu assessor, remetendo-se depois a um silêncio comprometedor. Um disparo sobre o pé e um tiro de canhão sobre MFL e o seu PSD, estilhaçando-os completamente. Retirou à senhora toda a retórica sobre a verdade, deixando-a desamparada, sem sustento, e só com a sua “asfixia democrática” que acabou por esvaziar com a história das listas e a ida à Madeira. Fulminou uma líder, com muita laca na cabeça, que queria ser Primeira-Ministra. Fez dum partido um defunto.
Ao atirar sobre si próprio, o PR ficou a pé-coxinho. Vai ter que andar dois anos de canadianas, a ver se recupera da fragilidade adquirida. De entre outros, Marcelo Rebelo de Sousa está à espreita, olhando para as presidenciais de 2011. O PR perdeu estas legislativas e poderá, eventualmente, ter perdido as presidenciais de 2011. Duplo perdedor!
O Bloco de Esquerda aumentou o número de deputados, é certo. Chegou ao meio milhão de votos, é verdade. Quis ser o centro da Esquerda, mas não é. Ansiava por dizer a Sócrates: queres aprovar esta lei, precisas dos meus votos, tens que negociar e deixar de ser arrogante. Pretensão falhada! Se Sócrates quiser aprovar uma lei à esquerda não chegam os votos do Bloco, vai ter que pedir também os da CDU, coligação que ficou em 5º, mas elegeu mais um deputado. Se a via de Sócrates for a da esquerda, hipótese em que poucos acreditam, não será o Bloco a estar no centro. Para além daquela ânsia por concretizar, o Bloco de Esquerda de Francisco Louçã viu o CDS-PP fazer-lhe uma chicuelina e passar-lhe à frente. É Paulo Portas que tem agora os votos que somados aos de José Sócrates chegam para uma maioria! Como o PR, Louçã muito vai ter que caminhar para não desconvencer o meio milhão de votos.
Foi aqui que se chegou!
PS - Quando a Senhora que queria ser Primeira-Ministra deixar de mandar Lázaro pode ressuscitar. Já estou a ver o PSD, em bicos de pés, aos acenos!

4 comentários:

Maria João disse...

Carlos

Independentemente da identidade dos vencedores e dos vencidos, eu, que luto constantemente contra o meu analfabetismo político, sinto-me pertencer aos verdadeiramente perdedores, não sei porquê, ou talvez saiba...
Mas não deixo de apreciar o desfile dos galões e galhardetes, porque toda a feira de vaidades, necessita de uma plateia atenta, nem que seja para ver nela refletido, o próprio brilho ou a sua sombra.

Também eu me afasto, às vezes, porque preciso e isso me faz bem. Estamos atentos, e isso é que importa!

Um abraço

Carlos Albuquerque disse...

Sem dúvida, Maria João, estarmos atentos é o que importa. Do lado dos vencedores nunca me sinto. Luto, lutei sempre, por não perder a minha identidade,talvez por isso, sei lá, estou como a Maria João, com os verdadeiramente perdedores, se entendi o que quis dizer.
Gostei de a ver por aqui.
Um abraço

Sonh@dor@ disse...

Carlos!
Já somos trêz a ficar atentos...
Adorei a forma como descreveu o dia das "legislativas";

Bjinhos

Carlos Albuquerque disse...

Sonh@dor@
E que se nos juntem mais, muitos mais...
Obrigado pela presença. É sempre muito bem-vinda!
Bjinhos