domingo, 18 de julho de 2010

Palavras

é o que as palavras simples têm de simpático, não sabem enganar.
(José Saramago
)

Assim num de repente, não mais que isso, num de repente, as palavras vieram visitar-me. O encontro foi depois do almoço a dar para o mar. Estavam escritas nuns azulejos atarraxados às rochas, olhando para mim, de mãos postas no tempo que as criou.
Disseram o que quiseram, falaram na língua que lhes aprouve. Escutei-as, em mancebia com o marulhar. Li-as. Encontrei-me nelas, que mais não sou do que um país que outra pátria não conhece se não o mundo.
Disseram-me elas, que até ali chegarem navegaram por mares por onde o passar dos dias as levou, sem que eu saiba quem as inventou, que a tempestade não escolhe porto.
Olhei para as gaivotas, muitas em terra, e recolhi ao meu porto de abrigo, fintando a procela, iludindo as dores que me quiseram visitar!
E porque as palavras são pródigas, e, quando o queremos, também solidárias, desejo a todos uma boa semana, que se prepara para trajar de Segunda-feira.

18 comentários:

Rosa Carioca disse...

Obrigada, para si, também. Desejo, sinceramente, que seja sem dores.

acácia rubra disse...

As palavras são o que quisermos fazer delas.

Talvez por isso, o Carlos fez com as suas um texto lindo, onde a sensibilidade boiou. Contudo, algumas vieram até terra firme e com elas escreveu a frase que melhor traduz, em minha opinião, todo o seu texto:

"Estavam escritas nuns azulejos atarraxados às rochas, olhando para mim, de mãos postas no tempo que as criou."

Que bom ter podido escutar a essência do que diziam, na sua simplicidade, sem outras significações, quantas vezes tempestuosas.

Boa semana

Beijo

Maria João disse...

Obrigada meu amigo, pelas palavras que recolheu à beira mar... obrigado por trazê-las e colocá-las aqui, assim, como quem nos oferece um pensamento para a semana.

Um abraço

Beta disse...

Lindo texto!!!

bj

MARIINHA disse...

Muita obrigada Carlos. Eu inicio as minhas férias na 2ª feira. São 3semanas, que espero aproveitar o melhor que puder. Desejo muito sinceramente, que as dores o visitem cada vez menos, e que acabem por o deixar em paz.
Um abraço

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

As palavras vieram(foram) lhe visitar porque sabe fazer bom uso delas. Um abraço

Marilu disse...

Querido amigo, palavras, mar, tudo é belo nesse texto de Saramago. Tenha uma linda semana...Beijocas

Marliborges disse...

Lindo texto, amigo. As palavras sempre visitam aqueles que lhes têm amor!!! Elas são fiéis!!!
bjsssssss

Osvaldo disse...

Amigo Carlos;

Em especial, votos de uma óptima semana, com palavras que não as levem o vento...

Um grande abraço amigo.
Osvaldo

rouxinol de Bernardim disse...

De facto assim é. Feliz semana para si.

heli disse...

Com que belo texto você nos envolveu através das palavras.


Ao ler o seu texto, lembrei do diálogo entre a raposa e o principezinho.

"A raposa calou-se e olhou por muito tempo para o principezinho.
- Cativa-me, por favor, disse ela.
- Tenho muito gosto, respondeu o principezinho, mas falta-me tempo. Preciso de descobrir amigos e conhecer outras coisas.
- Só se conhecem as coisas que se cativam, disse a raposa. Os Homens já não têm tempo para tomar conhecimento de nada. Compram coisas feitas aos mercadores. Mas como não existem mercadores de amigos, os Homens já não têm amigos. Se queres um amigo, cativa-me.
- Como é que hei-de fazer? disse o principezinho.
- Tens de ter muita paciência, respondeu a raposa. Primeiro, sentas-te um pouco afastado de mim, assim, na relva. Eu olho para ti pelo rabinho do olho e tu não dizes nada. A linguagem é uma fonte de mal-entendidos. Mas, de dia para dia, podes sentar-te cada vez mais perto...(...)
- Vou dizer-te o meu segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos."

in. “O Principezinho” de Antoine de Saint-Exupéry"

maria teresa disse...

Com as palavras podemos sentir e provocar muitos estados de alma... espero que elas o continuem a visitar mas que as dores estejam ausentes.
Uma semana passada o melhor possível e que este possível se transforme em totalmente possível.
Abracinho

Filoxera disse...

Uma boa semana também para si, Carlos.
Beijinhos.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Uma excelente semana com a visita das palavras e a ausência das dores, caro Carlos.
As palavras andam um pouco zangadas comigo, não sei se lhes fiz algum mal, mas as boas fogem-me e só comparecem as que não desejo. Espero que passe.

Gizelda disse...

É isso, as palavras são pródigas e solidárias...sempre que estivermos abertos para recebê-las e conviver com elas.

Foi o que você fez : abraçou-as e elas se entregaram nesse lindo e sutil texto.

Beijo.

Rogério Pereira disse...

Tal como acontece ao Carlos Barbosa de Oliveira, as palavras zangaram-se comigo. Percebo que está de bem com elas e as trata carinhosamente sob o aconchego de Saramago.
Se me diz "as palavras...quando o queremos, também são solidárias", então não me zango eu com elas... irão voltar. De certeza.

Boa semana

Mariana disse...

mais q lindo, é emocionante este texto.

Clecilene Carvalho disse...

Amigos - Vinícios de Moraes

Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos.
Não percebem o amor que lhes devotoe a absoluta necessidade que tenho deles.
A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor, eis que permite que o objeto dela se divida em outros afetos, enquanto o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade.
E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos !
Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências ...
A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem.
Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida.
Mas, porque não os procuro com assiduidade, não posso lhes dizer o quanto gosto deles. Eles não iriam acreditar.
Muitos deles estão lendo esta crônica e não sabemque estão incluídos na sagrada relação de meus amigos.
Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os adoro, embora não declare e não os procure.
E às vezes, quando os procuro, noto que eles não tem noção de como me são necessários,de como são indispensáveis ao meu equilíbrio vital, porque eles fazem parte do mundo que eu, tremulamente, construí,e se tornaram alicerces do meu encanto pela vida.
Se um deles morrer, eu ficarei torto para um lado.Se todos eles morrerem, eu desabo!Por isso é que, sem que eles saibam, eu rezo pela vida deles.
E me envergonho, porque essa minha prece é, em síntese, dirigida ao meu bem estar. Ela é, talvez, fruto do meu egoísmo.
Por vezes, mergulho em pensamentos sobre alguns deles.
Quando viajo e fico diante de lugares maravilhosos,cai-me alguma lágrima por não estarem junto de mim,compartilhando daquele prazer ...
Se alguma coisa me consome e me envelhece é que a roda furiosa da vida não me permite ter sempre ao meu lado,morando comigo, andando comigo, falando comigo, vivendo comigo, todos os meus amigos, e, principalmente, os que só desconfiam - ou talvez nunca vão saber -que são meus amigos!
A gente não faz amigos, reconhece-os.


LEMBREI-ME DE VC E VIM DESEJAR FELIZ DIA DO AMIGO.