quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Do Mwata (À procura)

De correria tem sido o seu andar, sempre querendo estar ali para poder, também, aqui chegar. Num ir e vir é como tem andado, traçando linhas, tudo galgando. Construindo do passado o presente, e neste fazendo nascer futuros, riscando crepúsculos.
Ontem deitou-se esgotado. Hoje cansado desperta. 
Busca no coração a força que o corpo lhe pede. Nas suas memórias procura a lembrança dele. Porque tudo encontra engenha-se. Põe-se a caminho. 
Lá vai.
O seu andar já não é como foi. Os passos seguem-no, passando-se de uma perna para a outra, contando as mortes e vidas que já tiveram. Aquela conversa de tropel é, porém, coisa que lhe não interessa; não sabe mesmo, sequer, se a escuta. Existir, existir só para dentro? Não, não quer. Os amanheceres já não são como os conheceu. Agora são falsos e inúteis. Amedrontados, os corpos perderam os gestos. Já nem para lá de aonde os olhos chegam deixam que se consiga olhar. As vozes já não falam, só oram, só oram ao vazio. Não, não quer. 
Lá vai.
Vai à procura de quem está a transformar o mundo num erro.
Há-de encontrar.
Há-de encontrar, mesmo que encontrões nele próprio tenha que dar.
E, se necessário for, gastar a chama de si reacendendo as luzes do Universo.

12 comentários:

São disse...

Até já sabemos quem está a transformar o mundo num erro, ainda não encontrámos foi forças para reagir contra essas criaturas...

Uma boa noite, Carlos

folha seca disse...

Sim Caro Carlos Albuquerque
As pessoas a quem resta alguma dignidade têm de se juntar mesmo que as condições físicas já não sejam as melhores e procurar "quem está a transformar o mundo num erro" se o não fizermos não nos perdoaremos a nós próprios.

"vem vamos embora que esperar não é saber, quem sabe faz a hora não espera acontecer"
Grande abraço

Luis disse...

Meu Bom Amigo Carlos Albuquerque,
Apetece-me dizer a Oração da Serenidade frente aos erros que estão a aparecer em catadupas.
“Senhor, dai-me serenidade para aceitar as coisas que não posso mudar; a coragem para mudar as coisas que posso mudar, e a sabedoria para conseguir distinguir umas das outras.”
(Autor desconhecido)
Um forte abraço amigo.

acácia rubra disse...

Antes de sair para as aulas, que só começam hoje às 10:00 e ainda com 24 Km pela frente, não venho comentar o teu texto.

Venho dizer-te que agarro a tua mão com a força que já não tenho.

E dar-te um beijo.

TERESA SANTOS disse...

Meu Mwata,

Atrás de um sonho.
Ou será atrás de uma utopia?!

Mas desistir?
Não, não pode ser!

Nem que as pedras se agigantem, nem que os caminhos pareçam intransponíveis, nem...

Vamos...

Abraço muito grande, meu Mwata.

Daniel Silva (Lobinho) disse...

Por vezes o silêncio, melhor dizendo, a serenidade, ajudam a pacificar a alma e, com ela, o mundo. As forças podem ser outras, o desencanto total, mas há que crer ainda no Homem, que por nao ser uma entidade colectiva talvez va mudando cada vez que um de nos muda tambén. O resto sao anseios, revoltas, latitudes, o resto é a vida e a mlehor energia que podemos gastar é aquela que não é vã.

Deixo um abraço

Fê-blue bird disse...

Meu querido amigo, se a força de um pequeno pássaro se juntar à sua, e as duas se juntaram a outras mais, pode ser que consigamos alterar o futuro.
Estou emocionada, aliás ultimamente quando o leio fico sempre assim.

Beijinhos

acácia rubra disse...

Cá volto. Voltarei sempre porque aqui me sinto em casa.

Obrigada.

Beijo de uma 'sobrevivente'.

acácia rubra disse...

Carlos


Só agora li os teus comentários. Perdoa por te trazer lembranças com o texto "O Towo". Também não gosto de me lembrar de determinadas coisas, mas a vida em Angola fez de mim gente madura e julgo que, embora fora de tempo, há que denunciar.

Às vezes não fica fácil falar do que nos magoa, mas faz parte do endurecimento de que necessitamos para continuar.

Tenho o meu mail na minha página. Se quiseres, usa-o. Não te prometo resposta imediata mas vou arranjar sempre um tempo para ti. Agora já nem comento no meu blogue, por falta desse tempo. Vou visitando mas sem qualidade nos comentários que faço. Vou postando porque a escrita é um desabafo, uma necessidade intrínseca à minha existência. Estive anos e anos silenciada...

Beijo carinhoso
Laura

TERESA SANTOS disse...

Meu Mwata,

Tudo bem?
Passasse alguma coisa contigo?

Desculpa, mas estou a ficar preocupada.

Abraço grande, grande.

Carlos Albuquerque disse...

Teresa Santos
Tudo bem. Apenas uma ligeira pane, mas já lá vai.
Abraço grande, grande, grande.

TERESA SANTOS disse...

Meu Mwata,

Será que adquiri alguns poderes da tua tão amada Angola? Adivinhar?!

Ainda bem que o mau tempo já passou.
Nem sabes como fico feliz!

Ui, não é que me assustei?!

Abraço muito grande, querido Mwata.