sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Presidenciais

Lembro-me do PR de sorriso espontâneo e livre, que se emocionava e comovia em público, assim, como qualquer um de nós. Aquele PR que disse haver vida para além da sebenta das finanças. Ainda há dias o vi, com o mesmo sorriso e um pé na emoção, a anunciar o seu apoio a um candidato. Hoje, outros são os tempos. Do PR, que quer continuar a sê-lo, já não nos chega um sorriso, mas um esgar de ameaça, de que tudo vai mal, conversa para surdos e mudos ao jeito do que os interesses que o alimentam tanto gostam.
A tristeza é vil, como sempre o foi. Mas, agora, a jocosidade, forçada pelo fingimento de tudo fingir, o que será? Faz-se o escárnio, escreve-se a sátira, canta-se o mal dizer.
Soltam-se o sorriso e o riso à medida, forçados. O aplauso fácil, mecânico, robótico.
Cá de política não percebo nada, isto é tudo uma cambada, pá! És o maior, ou você é o maior, consoante.
Batem-se palmas a quem escarneça, satirize ou mal diga. Assim, numa espécie de vingança do eu para com o eu. Recolhemos ao fácil, escondemo-nos no comodismo estéril. Sentamo-nos à sombra do nada fazer. Que continuem os fingidores. O que há para construir por edificar ficará. Assim fugiremos ao trabalho de pensar, deixando-nos levar pelo acaso das circunstâncias.
Depois, fechado o sorriso, recolhido o riso, gastas as sátiras, consumido o cuscar, o que fica?
Um triste e solitário vazio. Então, apagam-se as velas do velório. Ao que parece, gostamos de assim ser.
Será que gostamos mesmo?

O Analfabeto Político

O pior analfabeto
É o analfabeto político,
Ele não ouve, não fala,
nem participa dos acontecimentos políticos.

Ele não sabe que o custo de vida,
o preço do feijão, do peixe, da farinha,
do aluguel, do sapato e do remédio
dependem das decisões políticas.

O analfabeto político
é tão burro que se orgulha
e estufa o peito dizendo
que odeia a política.

Não sabe o imbecil que,
da sua ignorância política
nasce a prostituta, o menor abandonado,
e o pior de todos os bandidos,
que é o político vigarista,
pilantra, corrupto e o lacaio
dos exploradores do povo.
(Berthold Brecht)

16 comentários:

Fê-blue bird disse...

"O analfabeto político
é tão burro que se orgulha
e estufa o peito dizendo
que odeia a política."

Meu amigo:
Como odeio a política, assumo:
Sou burra e analfabeta política.
Mas não gosto de ser assim,estou a tentar mudar isso, todos os dias aprendo e avanço.

Beijinhos

Rogério Pereira disse...

Brecht à parte
Quem vota errado
Ou é doido
Ou anda em Marte

Kimbanda disse...

Não somos meros espectadores, por que nos é de direito e obrigação o voto, como tal intervenientes no espectáculo. O preço do bilhete não vem com a compra do mesmo, mas como resultado do final da encenação!

Kandandos

Daniel Silva (Lobinho) disse...

"Batem-se palmas a quem escarneça, satirize ou mal diga. Assim, numa espécie de vingança do eu para com o eu. Recolhemos ao fácil, escondemo-nos no comodismo estéril."

Não podia estar melhor apropriado, quer ao moento actual quer a todos os momentos electivos em geral... e não só!

Abraços

Maria disse...

Este poema de Brecht devia er obrigatório em todas as escolas.
Talvez os nossos jovens - futura classe política - não nos desiludisse como os actuais governantes.

Um abraço.

ematejoca disse...

... BERTHOLD BRECHT!!!

ematejoca disse...

Este poema do meu querido Brecht é obrigatório aqui nas escolas!!!

Agulheta disse...

Amigo Carlos.Poema de Brecht mesmo na muche!Fica bem em qualquer lado e actualmente melhor,fica bem a todos eles.
Beijinho e bfs

maria teresa disse...

Eu NÃO GOSTO!
Fico triste e muito desiludida, não propriamente com o PR focado, desse espero tudo, mas de outras figuras proeminentes do nosso meio político, que perderam totalmente o conteúdo do crânio.
Abracinho meu!

Sofá Amarelo disse...

Por defeito de profissão acompanho todas as campanhas desde há muitos anos e nunca vi campanha tão suja e tão cinzentona como esta!

Então, os programas? Ou os programas são dizer mal dos outros a torto e a direito?

ematejoca disse...

Já estou a ver, aqui o favorito é o Manuel Alegre.

O meu favorito é...

Catsone disse...

Amigo Carlos, descreveste o que sinto em relação ao actual PR. Devo confessar que votei no fulano há 5 anos mas, desde aquela data, cresci. Estou farto do ar de superioridade, como se sentindo "o entendido", "o preocupado", "o sábio". Não terei outra solução do que aturar por mais 5 anos essa figura(penso, infelizmente, ser um dado adquirido) mas faço-o com muita relutância!

tulipa disse...

Hoje encontrei estas palavrinhas suas, que me deixaram muito feliz:
Carlos Albuquerque deixou um novo comentário na sua mensagem "PENSAMENTO":
Este blogue, a que cheguei agora, é uma ternura. Compreendo a expressão de Bocage. Ele não se limitou a passar pela vida, viveu-a!No meu blogue também um dia chamei Bocage. Está aqui: http://conversasdaquiedali.blogspot.com/search/label/Bocage
Vou colocar, no meu, um link para o seu, e juntar-me aos seus seguidores. Antes, porém, vou dar mais uma volta por aqui.
Um abraço.
Publicada por Carlos Albuquerque em De Abril em diante a Agosto 10, 2009
HÁ QUANTO TEMPO!!!

manuel aldeias disse...

Faço os possiveis para não ser catalogado de analfabeto político.
Por vezes desfaleço principalmente quando concluo que será dificil sair da conjuntura.

TERESA SANTOS disse...

Querido Mwata
Que credibilidade nos oferecem estes homens?
Como classificar esta campanha? Qual dos candidatos apresentou um programa, por pequeno que fosse?
Qual destes candidatos nos oferece o perfil do lider, do lider responsável que consiga minimizar estes anos de desnorte?
Não sei!
Beijinho, meu Mwata!

Maria João disse...

Carlos

Que saudades eu tenho desse PR de sorriso fácil e olhar comovente para gente e coisas.

Ando num dilema tão grande...

Por um lado, não abdico do meu direito e dever cívico de votar, por outro... sinto tanta falta de integridade e sombreidade nos discursos...
Se acreditar era preciso, a descrença instalou-se e o pior, é que eu sei que é ela que nos arasta para a inércia.

Um abraço