domingo, 19 de junho de 2011

Os meus selos

Este selo recebi-o da rubraacacia. Agradeço-lhe, honrado, tal deferência. A rubraacacia, que apenas conheço neste planeta virtual da bloga, é professora. Porque professora é (para mim uma das mais nobres profissões, pese, embora, como noutras acontece, a manifestação, por vezes, de posturas corporativas arregimentadas), decidi publicar o selo com que me distinguiu, oferecendo-lhe a reedição de um texto publicado há dois anos nesta minha cubata.

"Foi na primária, na Escola 8, ali como quem vai para o Bairro Miramar, em Luanda, que aprendi as contas. Ensinou-mas o velho e sábio Professor Cardoso. Já não está entre nós, mas tenho-o bem vivo na minha memória. Olá, Senhor Professor!
Dizia-nos ele: somar é ter mais; diminuir ficar com menos; multiplicar é amontoar; dividir, o mesmo que compartilhar ou repartir. Tudo isto ia exemplificando, a giz branco, no negro da ardósia do quadro. A conta de que ele mais gostava era a de dividir.
Deixava o quadro, caminhava entre as filas de carteiras e ia dizendo: «há alunos que trazem duas laranjas, duas bananas, ou dois pães para o lanche, e outros não, porque os pais não têm dessas coisas em casa para lhes darem. Os que isso trazem podem dividir com o companheiro de carteira (éramos dois, em cada uma), que nada trouxe. Já sabem que dividir dois por dois dá um. Assim, cada um fica com uma laranja, uma banana e um pão. O resto é zero, e como é zero, nada fica, nada se estraga”
Passámos a fazer aquelas contas. Nas minhas não aparecia resto zero. O que via no lugar do zero era outra palavra, um pouco maior – amigos!

As bananas, laranjas e pães repartidos deixaram-me um sabor para toda a vida: o gosto pela conta de dividir.

Obrigado Professor!"

(o selo trazia agarrado uma regra: passá-lo a 12 blogues. Tarefa difícil. Opto por aqui o deixar à disposição dos meus visitantes amigos e leitores. Dar-me-á muito gosto que o levem e o publiquem, citando o blogue de onde o recebi. Muito obrigado pela vossa compreensão.)

4 comentários:

acácia rubra disse...

Linda lição de partilha, dádiva e solidariedade.
Tive professores que são também a minha referência:

O saudoso professor Abílio (da 2ª à 4ª classe), que me fez uma apreciação, que guardo com muito carinho - " Ela não é burra de todo!"; uma tia (Maria Arminda),senhora de uma postura solene, mas de uma ironia e humor finos, que me ensinou a ler Camões e Os Lusíadas; e duas Professoras na Faculdade,Maria Aparecida Ribeiro, brasileira, que me deu uma perspectiva nova de ver a Literatura, e a incontornável Maria Helena da Rocha Pereira, que num trabalho sobre os latinismos e helenismos em Os Lusíadas e em Mensagem, me disse (e passe a imodéstia), que eu conhecia as obras a fundo. Este e o parecer do professor Abílio, como calculas, enchem-me de orgulho.

E aqui estou eu discorrer sobre as marcas dos outros em nós e a interrogar-me se,um dia, num blogue ou noutro substituto que venha a ser usado, serei lembrada. Acredito que não, apesar do esforço da partilha.

Beijo

Filoxera disse...

Amigo Carlos:
Parabéns pela distinção.
Mais um excelente texto, numa homenagem linda a um professor que marcou de forma positiva.
Beijinhos.

menina limão disse...

Olá, tudo bem?
Vim conferir as novidades. Gostaria de convidar vc para vê o vídeo novo no blog, menina limão em: SPA. Divirta-se!!!
Boa semana,
fica com Deus,
beijos
www.meninalimaoem.blogspost.com
@limaomenina

Maria João disse...

Dividir para multiplicar, assim se fazem as "contas" bem feitas, de quem soma na vida o suficiente para reduzir todas as subtrações injustas.

Carlos, o texto a que aqui faz referência, é um dos muitos que me foi desenhando, ao longo do tempo, o seu perfil, enquanto Ser Humano de enorme grandeza.

A partilha é o que mais nos dignifica, sem ela ficamos tão pobres....

Um beijinho,
Sua amiga