quarta-feira, 22 de julho de 2009

Conversa minha (sonhos)




A noite passada tive um sonho.

Lesto, quis agarrá-lo, mas acordei de mãos vazias!
Pois é!


Dos sonhos não se deve sair a correr. Primeiro, para não sermos apanhados estremunhados, e por isso desprevenidos. Depois, há que lhes dar tempo, deixá-los ganhar forma. Permitir que levedem, para que lhes conheçamos os contornos, vejamos as cores, ouçamos as vozes e outros sons, e até nalguns casos, lhes toquemos os corpos, olhemos as caras e lhes sintamos o coração. Tarefa difícil. No reino das fantasias reais, habitam prestidigitadores de técnica apurada, que muitas vezes nos confundem, ficando nós, sonhadores desamparados, sem saber se ainda lá estamos ou, se porventura, já não. Tentar regressar aos sonhos, buscando-lhes o fim, é sempre em vão. Explicá-los também não é contenda fácil, embora muita gente passe a vida numa azáfama, procurando fazê-lo.
O sonho da noite passada estava a dizer-me, não consigo perceber a que propósito, que há quem não goste que os deuses sejam humanos, e eu estava a responder-lhe que Deus não é homem para andar por aí com essas coisas, quando se me abriram os olhos!
Muitas vezes se desperta de um sonho qualquer e se mergulha, de seguida, num mau conselho. Por aí não vale a pena ir!

3 comentários:

Filoxera disse...

Lindo texto.
Beijinhos.

rosário albuquerque disse...

Quando eu era criança, e como todas as crianças, sonhava muito. Sonhava com os meus fantasmas. Também, como todas as crianças, corria para a cama dos pais cada vez que uma dessas tormentas me perseguia, até que um dia me disseste: não fujas, fica, pergunta-lhe o que quer, conversa com os teus medos.
Não sei se segui o teu conselho mas posso dizer-te que hoje tento faze-lo, mas são eles que não me dão conversa.
1 beijo da filha

Maria João disse...

Carlos

Estou convicta que o sonho constitui um mistério ainda por desvendar... sei que muitos se dedicaram e ainda dedicam a tentar dar-lhe um significado ou um propósito. Não sei se acredito nas explicações existentes, na realidade não procuro saber sobre isso.
Mas sei, e isso basta-me, que não é por acaso que sonhamos, que uns sonham mais do que outros e que às vezes, nos lembramos com precisão de cada pormenor do nosso sonho.
Existe um propósito sim... será uma dupla missão da existência humana?
Talvez....

Um abraço e... bons sonhos!