terça-feira, 27 de outubro de 2009

A mendiga

Hoje o Sol mangonhou. A névoa, feita nevoeiro, chegou antes. Depois, Sol e nevoeiro chocaram-se, quase em fúria, borbulhando espuma por onde correram palavras vestidas de mendigas, que estão ali, no beiral da janela, a quererem dizer-me não sei o quê. Pouco me importa! Logo mais, cadavez, meter-se-ão no fato da noite e partirão.
Reparo, agora, passada a noitada, que uma ficou. Saltita pelo beiral, qual pisca, mãos atrás das costas, cara de curiosa, vê-se. Não fora avisá-la, tropeçaria no cestito dos búzios. Pára junto ao vaso onde vive uma flor, pergunta-me: esta flor tem perfume? Respondo-lhe, não, o perfume é que tem essa flor.
Zangou-se!
- Não te deram o direito de me falares assim, trocando as voltas, só porque estou vestida como estou, também sou uma palavra! Sei, muito bem, o que me queres dizer. Não perguntes, respondo antes, trajo assim porque procuro uma mão que me ajude a caminhar por uma estrada de gente, que me leve a um rio de palavras vivas, correndo por águas livres.
Estendeu a mão vazia e foi de boleia com a brisa, vestida como chegara, de mendiga.

12 comentários:

Dulce disse...

Carlos,
Vim agradecer a presença e a prenda que deixou lá no Em Prosa e Verso. Muito obrigada. Você é sempre muito gentil e atencioso com os amigos.

Lindo texto. A briga com as palavras sempre resulta em algo positivo. Pelo menos nas "Conversas daqui e dali"
Beijos e, mais uma vez, obrigada.

Malu disse...

Belíssimas palavras, meu caro.
Muitas vezes nos deparamos com palavras mendigas que nada mais querem a não ser compôr outras palavras bonitas mas, por serem mendigas, a elas ignoramos.
Fazemos isso, muitas vezes com as pessoas, voluntaria ou involuntariamente...
Pessoas...
Sempre a dar ênfase às aparências...
Beijos

MIUÍKA disse...

Meu amigo,parabéns pelo belo texto,adorei como sempre.
Quanto ao meu post,é uma maneira que eu tenho de viajar, por imagens e este é um lugar que não me importaria nada de conhecer.
Um beijão...MIUÍKA

José disse...

Amigo Carlos,
É sempre um prazer ler os seus textos, eles contam-me histórias algumas das quais eu vivi, outras caminhei quase lado,lado por isso fico imocionado quando as leio.

Caminhar por uma estrada de gente,
que me leve a um rio de palavras

E que eu possa entender sempre cada um delas.

um grande abraço,
José

Agulheta disse...

Amigo Carlos! Como é bom viajar neste contexto de palavras,algumas me edentifico e gosto.Obrigado pela partilha e escrita.
Beijinhos Lisa.

Quanto ao problema que que colocou sobre o atualizar,não sei de verdade,ainda andei por aqui à pouco e nada vi,se calhar estará em algo que me foge?

Maria João disse...

Carlos

Livre voa essa palavra, não pedindo mais do que um abraço dos sentidos. É mendiga sim, e poderosa! Leva no peito o desejo de quem a fez nascer e na alma tudo aquilo que cada um nela semear.
Fico sempre mais forte e enriquecida quando aqui venho. Também eu vou de boleia.. mas de mão cheia, com as suas palavras.

Um beijinho

Anónimo disse...

Avô, sempre com histórias bonitas lendas, etc! Não conheço o texto, mas uma frase daqui está no meu livro de Português, grandes blogs que a nossa família tem!

beijinhos e abraços do teuu neto,

Pedro Albuquerque

Elaine Barnes disse...

Meu amigo, que prosa linda! De uma sensibilidade e delicadeza impressionantes. Obrigada pela visita carinhosa e já pousei por aqui. Ficarei. bjs novo amigo!

TERESA SANTOS disse...

E é a escrita fantástica. E é o sonho. E é a sensibilidade. E é a magia. E é o encanto que nos proporcionas.
Obrigada, mas OBRIGADA, mesmo.
O que significa "mongunhou" E que
tal a minha sugestão do glossário?
Pensa nisso.
Abraço.

carmen disse...

Parabéns pelas belas palavras,
Sempre.
Beijo

Rosa Carioca disse...

Bem, não sei o que comentar, a não ser que é "BELO".

elvira carvalho disse...

Mais um texto que me encantou...
O amigo escreve que é uma maravilha.
Brinca com as palavras dando-lhe um sentido poético que é como um raio de sol, rompendo o nevoeiro do texto.
Um abraço